BUSCA NO SITE:

12 Tendências Para 2019

por Fabio Torlai em 14/02/2019 às 16:43:19.

2018 foi um ano turbulento, Copa do Mundo, Eleições e Greve dos caminhoneiros deixaram o Brasil louco. Sobrevivemos e estamos prontos para 2019. 

Confira o que percebemos como tendências para o futuro próximo:

01 - Produtos melhores para a terceira idade:

Incorporadoras começam a se mover para preencher uma lacuna no mercado: Produtos para pessoas idosas. Com o envelhecimento da população, esse mercado vai crescer muito nos próximos anos. Algumas incorporadoras já estão fazendo experimentos com produtos que atendem às necessidades do público de terceira idade, mas o movimento está apenas começando. 

Uma das alternativas que chama a atenção deste público é o formato co-living, que oferece uma combinação de espaços privativos e áreas comuns pensada para estimular o convívio. Um dos maiores problemas que as pessoas idosas enfrentam é o isolamento social, que é atenuado nesse formato de habitação. 


02 - Apartamentos menores:

Em 2018, vimos lançamentos de unidades com metragens muito reduzidas. Estes produtos obtiveram muito sucesso, mostrando que as pessoas estão priorizando tempos de deslocamento menores e localizações mais privilegiadas.

O exemplo mais notável é o da Vitacon, que lançou um prédio com unidades de 10 m². O volume de vendas da incorporadora  (em um de seus lançamentos, foram vendidas 200 unidades em um fim de semana) mostra que essa é uma tendência forte. 


03 - Cidades mais inteligentes:

Uma tendência global é uma revisão do planejamento urbano, que tira um pouco do protagonismo do carro e dá mais espaços à pedestres e ciclistas no trânsito. São Paulo inaugurou a primeira Rua Completa, com uma distribuição mais humanizada do espaço e grande aprovação popular. Outras cidades devem seguir o exemplo ao longo do ano. Essa mudança no pensamento dos planejadores urbanos deve impulsionar tendências como:


04 - Apartamentos sem vaga de garagem:

Não ter veículo próprio não prejudica tanto a mobilidade quanto antes. Com aplicativos de transporte em carro particular e de carona, comprar e manter um carro passa a ser uma ideia questionável para muitas pessoas. Uma unidade com 0 vagas começa a ser vista com outros olhos.  


05 - Uso mais inteligente dos espaços

O uso de Self Storage vem crescendo no Brasil e isso deve continuar em 2019. O modelo de negócio ágil e flexível atende muito bem às necessidades de pequenos negócios que vendem pela internet, além de ajudar em mudanças para pessoas físicas. O espaço extra também é útil para quem tem hobbies que precisam de certo voluma de equipamento ou atividades sazonais. 

Com muitos micro-empreendedores que mantêm estoques pequenos, surge a necessidade de galpões menores e contratos mais flexíveis. Pequenos e-commerces estão se multiplicando e essa demanda deve se converter em tendência no mercado imobiliário.


06 - Locação mais fácil

Os aplicativos estão trazendo revoluções em várias áreas, uma delas é a locação de imóveis, o AirBNB é uma plataforma que permite que você disponibilize quartos ou imóveis para locação por dia. De olho nessa tendência, algumas incorporadoras preparam as regras de condomínio para que os proprietários possa fazer uso do sistema sem problemas. 

O sistema de pool de locação ganhou espaço no ano passado e deve crescer mais. Ao optar pela modalidade, a receita de um conjunto de unidades é dividida entre os proprietários. O retorno máximo possível é menor, mas dificilmente haverá períodos de meses de desocupação do imóvel. 


07 - Avanços nas Tecnologias Construtivas

Aos poucos, a construção civil no Brasil começa a evoluir. Técnicas como steel frame e wood frame ganharam espaço em 2018 e devem continuar em expansão. Sistemas de gestão integrados e projetos com a tecnologia BIM também estão se consolidando e devem se traduzir em agilidade e efetividade no canteiro de obras. 

Além disso, tecnologias de automação residencial e a internet das coisas vão ganhar espaço, tornando os espaços construídos mais inteligentes.


08 - Recuperação da Economia

As reformas do governo Temer, apesar de tímidas, controlaram a inflação. O PIB parou de cair e há sinais de retomada na geração de empregos. Há muito otimismo baseado nas promessas de campanha que dizem respeito à economia. Se as reformas planejadas forem executadas, o cenário ficará muito mais amigável para negócios. A grande questão do momento é a reforma da previdência. Dependendo de como for conduzida, pode tornar o país mais atraente para o capital estrangeiro. 

Sobre o mercado imobiliário, o ciclo de recessão já se arrasta por um longo período e há sinais que apontam para seu fim. As taxas de juros imobiliários já caíram em alguns bancos de 2017 para 2018. Caso se confirme o cenário mais positivo, o movimento de redução pode continuar, aumentando o fluxo de capital no mercado. 


09 - Micro-investidores entram no mercado imobiliário

Há diversas iniciativas de educação financeira que estão causando um movimento de aucmulação de patrimônio e investimentos. Muita gente descobriu que deixar dinheiro na poupança pode não ser a melhor alternativa e agora buscam novas formas de multiplicar o capital. O mercado imobiliário se mostra atrativo para este público por oferecer ativos sólidos. 

Em 2018 houve uma consolidação da ideia de investimento coletivo em imóveis. Diversas campanhas de crowdfunding ajudaram a viabilizar emrpeendimentos e deram lucro a milhares de pequenos investidores. 

Fundos imobiliários ganharam visibilidade como alternativa de investimento, com menos desconfiança, a venda de cotas deve ser mais ágil nos próximos anos. 


10 - Vídeo e imagens dominam a internet

O acesso a internet continua crescendo, e com ele, a penetração das redes sociais. O público brasileiro usa as redes sociais de forma intensiva, dando muito mais atenção a conteúdos em vídeo. Público mais jovem perde interesse pelo Facebook. O WhatsApp já é parte da rotina de quase todos os usuários de internet no Brasil e continua crescendo.

No Brasil, há um interesse muito grande por redes sociais baseadas em imagem e vídeo. A proporção de usuários do Youtube e Instagram em relação ao total de usuários de internet é maior que em outro países.


11 - Ninguém mais vai ao plantão

Neste ano, devemos ver plantões de vendas ainda mais vazios. O comportamento do consumidor mudou. Com o celular na mão se resolve praticamente tudo e as pessoas esperam que possam resolver a escolha do imóvel também. Convencer alguém a sair de casa para visitar um stand ou decorado vai ser uma missão muito difícil. Ganham espaço então as plataformas virtuais, passeios interativos e vídeo devem continuar crescendo como forma de comunicação. 

A internet gerou um senso de urgência no público e é preciso satisfazer essa fome de conteúdo com publicações frequentes e atendimento instantâneo. 

Apresentações por meio de 'lives' (transmissões online ao vivo) cresceram muito em 2018, assim como os 'stories' do instagram. A atenção do público está voltada para esses formatos, então, quem quiser aparecer deve se mover nessa direção. 


12 - Auto-atendimento cresce

Um fenômeno interessante no Brasil é a ascensão de chatbots e atendimento automatizado. Uma parcela muito grande das pessoas está dando preferência aos robôs do que a atendentes. Esse fato abre espaço para automatizar etapas iniciais do atendimento e permitir que seu comprador se qualifique por conta própria, entrando em contato apenas após a decisão já tomada. 

O que você está planejando para 2019? Teste de mercado para um produto? Lançamento? Entre em contato para criarmos uma estratégia de conteúdo.

  • Compartilhar:
Fique por dentro de todas as novidades. Cadastre-se em nossa newsletter:
Receba conteúdos exclusivos sobre o mercado imobiliário: comunicação, inovação, estratégia e cases. Seu endereço de e-mail estará seguro.